Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

Almeida antiga

rua.jpg

 

publicado por Aristides às 19:05
link do post | comentar | favorito

PS à esquerda

costa.jpg

 "PS encosta à esquerda e assume rutura absoluta com políticas de Passos" diz o título do DN de hoje.

Pois é! Este é o problema de sempre do PS: fazer campanhas eleitorais à esquerda e governar à direita assim que assume o governo. Deixo aqui uma pergunta: há alguém, mesmo sendo do PS, que duvide do que afirmei?

publicado por Aristides às 18:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Diz que hoje é o Dia da Terra

 No Dia da Terra, uma das mais belas canções que já se escreveram em seu louvor e Caetano no seu melhor.

publicado por Aristides às 18:28
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Abril de 2015

Almeida antiga

rua nova1.jpg

 

 

 

publicado por Aristides às 18:15
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Abril de 2015

Um genocídio em curso

pol-19124412-242d.jpg

 

A propósito do drama constante que ocorre no Mediterrâneo, tenho ouvido as coisas mais incríveis. Os chefes de governo da Europa, mais em contacto com a tragédia, estão aterrorizados, não sei se com o drama em si se com a sua mediatização que não lhes dá propriamente uma boa imagem. Infelizmente, os responsáveis políticos desta choldra que dá pelo nome de União Europeia, acham que os responsáveis pela imigração ilegal e pelos naufrágios do Mediterrâneo são as redes ilegais de tráfico de pessoas e já começaram a prender uns alegados envolvidos com a televisão por perto.

Eu já não sei se nos tomam por idiotas ou se são, eles próprios os verdadeiros idiotas. Já começo a pensar que a generalidade dos governantes desta Europa não são grandes devedores à inteligência. Ouvi há pouco os primeiros ministros francês e italiano cupabilizar os responsáveis pelas redes de imigração ilegal pelas tragédias diárias daquele que já foi o Mare Nostrum romano. Transpondo este raciocínio para a nossa realidade, é o mesmo que responsabilizar os passadores de Vilar Formoso por quase toda a gente querer sair de Portugal na década de 60. Francamente!

Em contrapartida, acabo de ouvir a Constança Cunha e Sá pôr o dedo na ferida e responsabilizar, sem papas na língua, a União Europeia e os EUA pela desestabilização dos países do norte de África e a Líbia em particular, causas próximas (essas sim!) de tudo o que se está a passar.

Bem podem limpar as mão à parede!

publicado por Aristides às 21:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 15 de Abril de 2015

Os novos bárbaros

imagesCAFPDUP7.jpg

 

Os novos bárbaros continuam, impunes, a destruir a memória da Humanidade e tudo o que tenha um vago odor a Cultura.

Aquilo que vamos vendo, publicado no Youtube pelos próprios, numa pretensa glorificação do crime cometido, são umas hordas de selvagens tentando apagar da face da terra marcos civilizacionais de reconhecida relevância.

E o que vemos, embora condenável, muito mais do que as palavras e as leis o possam determinar, não deixa de ser compreensível, se nos soubermos colocar na posição dos criminosos. Reparem: não será natural que estes delinquentes vejam com raiva que 3000 anos antes deles havia gente muito mais civilizada e culta do que eles?

É até compreensível que desejem aniquilar todos os vestígios que confirmem que eles, os autoproclamados intérpretes duma imperscrutável vontade divina, são um erro de evolução, um acidente dramático na caminhada da Humanidade para estádios mais avançados de civilização.

Como explicariam eles, bestas fardadas que pouco mais saberão dizer que o nome do seu(?) profeta, estarem, não a anos, mas a séculos-luz dos seus antepassados de há três milénios atrás?

E o crime, hediondo e sem perdão, faz-nos arrepiar de horror a cada marretada numa peça de arte, a cada pazada de caterpillar que derruba uma parede de um qualquer palácio ou templo sumérios.

publicado por Aristides às 18:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 13 de Abril de 2015

Morreu Günter Grass

O Prémio Nobel de Literatura morre aos 87 anos em Lübeck. Um dos principais escritores do pós-Guerra, criou uma polémica há precisamente três anos, quando publicou um poema criticando o governo de Israel. É claro que, quando se critica o governo de Israel, cai o Carmo e a Trindade, para não dizer que caem, bombardeadas, mais uma escola ou um hospital na Faixa de Gaza.

Foi declarado persona non grata pelos sionistas de Telaviv e proibido de entrar em Israel. Mas o que é certo é que o poema toca na ferida e por isso é que indignou tanta gente. Aqui vai o dito poema:

 

O que deve ser dito

 

Porque guardo silêncio há demasiado tempo

sobre o que é manifesto

e se utilizava em jogos de guerra

em que no fim, nós sobreviventes,

acabamos como meras notas de rodapé.

É o suposto direito a um ataque preventivo,

que poderá exterminar o povo iraniano,

conduzido ao júbilo

e organizado por um fanfarrão,

porque na sua jurisdição se suspeita

do fabrico de uma bomba atômica.

Mas por que me proibiram de falar

sobre esse outro país [Israel], onde há anos

- ainda que mantido em segredo –

se dispõe de um crescente potencial nuclear,

que não está sujeito a nenhum controle,

pois é inacessível a inspeções?

O silêncio geral sobre esse fato,

a que se sujeitou o meu próprio silêncio,

sinto-o como uma gravosa mentira

e coação que ameaça castigar

quando não é respeitada:

“antissemitismo” se chama a condenação.

Agora, contudo, porque o meu país,

acusado uma e outra vez, rotineiramente,

de crimes muito próprios,

sem quaisquer precedentes,

vai entregar a Israel outro submarino

cuja especialidade é dirigir ogivas aniquiladoras

para onde não ficou provada

a existência de uma única bomba,

se bem que se queira instituir o medo como prova… digo o que deve ser dito.

Por que me calei até agora?

Porque acreditava que a minha origem,

marcada por um estigma inapagável,

me impedia de atribuir esse fato, como evidente,

ao país de Israel, ao qual estou unido

e quero continuar a estar.

Por que motivo só agora digo,

já velho e com a minha última tinta,

que Israel, potência nuclear, coloca em perigo

uma paz mundial já de si frágil?

Porque deve ser dito

aquilo que amanhã poderá ser demasiado tarde [a dizer],

e porque – já suficientemente incriminados como alemães –

poderíamos ser cúmplices de um crime

que é previsível,

pelo que a nossa cota-parte de culpa

não poderia extinguir-se

com nenhuma das desculpas habituais.

Admito-o: não vou continuar a calar-me

porque estou farto

da hipocrisia do Ocidente;

é de esperar, além disso,

que muitos se libertem do silêncio,

exijam ao causador desse perigo visível

que renuncie ao uso da força

e insistam também para que os governos

de ambos os países permitam

o controle permanente e sem entraves,

por parte de uma instância internacional,

do potencial nuclear israelense

e das instalações nucleares iranianas.

Só assim poderemos ajudar todos,

israelenses e palestinos,

mas também todos os seres humanos

que nessa região ocupada pela demência

vivem em conflito lado a lado,

odiando-se mutuamente,

e decididamente ajudar-nos também.

Tradução para o português: Baby Siqueira Abrão

 

publicado por Aristides às 12:24
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 10 de Abril de 2015

A essência do Capitalismo, segundo Belloso

O Diário de Notícias tem talvez o mais bem sortido friso de humoristas de toda a imprensa nacional. Semana após semana peroram nas suas colunas, para nossa instrução e gáudio, personalidades como o abominável César das Neves, o execrável Alberto Gonçalves, um Leonídio qualquer coisa. Podiam ser só estes que o humor, embora involuntário, estava garantido. Mas não, a direcção do DN  achou que não era suficiente.E vá de contratar um colunista, ainda por cima espanhol, que acode ao nome de Miguel Angel Belloso.

O homem é do mais reaccionário que há, chegando a atrever-se a lamentar a existência de eleições que irão, como ele receia, estragar o belo trabalho que os nossos governantes vêm fazendo ultimamente. Não sei, mas desconfio, como é que ele resolvia esta maçada que é a de haver democracia.

Hoje o homenzito tece loas e ditirambos ao Capitalismo, numa argumentação que em nada fica a dever à do seu émulo César das Neves. Vejam só esta pérola:

"O essencial do capitalismo não é conseguir um rendimento, mas sim dar; não é receber, mas sim prestar, esperando a justa recompensa depois de se ter satisfeito a aspiração de todos os agentes que intervêm no mercado."

O resto do artigo segue nesta tónica que já não sei se é para rir ou para chorar.

 

publicado por Aristides às 18:55
link do post | comentar | favorito

Almeida antiga: rua do Marvão

rua do marvão.jpg

 

publicado por Aristides às 18:49
link do post | comentar | favorito

Os rendimentos absurdos do trabalho, segundo Passos Coelho

phpThumb.jpg

 Nem de propósito! Depois das notícias de ontem em que se dava conta da queda (mais uma) do custo do trabalho em Portugal, o que nos coloca a léguas de países mais ou menos decentes nessa matéria, vem o nosso primeiro ministro defender o quê? Que é preciso valorizar o trabalho e fazer com que os trabalhadores participem mais da distribuição de rendimentos? Que estão reunidas condições, com os cofres cheios, para que os trabalhadores saiam finalmente da situação degradante e indigna para que a política do seu governo os empurrou? Para que um pequeno aumento de rendimentos permita respirar um pouco mais quem anda há anos e anos a perder poder de compra, estabilidade e emprego?

Está bem,está! Vejam só o que ele disse ontem, em que fica bem clara a opção pelo bem estar das empresas e do capital, em detrimento do trabalho:

Durante uma conferência sobre investimento em Portugal, realizada nas instalações da Fundação Champalimaud, em Lisboa, Passos Coelho defendeu a opção do Governo PSD/CDS-PP de baixar primeiro os impostos sobre as empresas, antes de reduzir a carga fiscal sobre as pessoas singulares, e reiterou a intenção de cumprir a redução progressiva do IRC calendarizada para os próximos anos.

Em seguida, considerou que «hoje que o custo do trabalho para as empresas ainda é muito elevado», acrescentando: «Essa foi talvez a única importante reforma que não conseguimos completar neste domínio fiscal durante estes quatro anos. Mas será um objetivo seguramente importante para cumprir nos próximos anos»

É preciso ter muita lata!

 

publicado por Aristides às 18:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Abril de 2015

Ponte de S. Roque (EN 16)

999_001.jpg

 

publicado por Aristides às 18:28
link do post | comentar | favorito

Generosidade bancária

ng4120612.png

 

BPI repôs salários e cortes aos...administradores.

"BPI repôs salários e devolveu o que a administração não recebeu nos dois anos que durou a ajuda do Estado. Ulrich chegará ao fim do ano com mais 165,5% de rendimento e Santos Silva, 238,2%."

A generosidade para com os banqueiros será extensiva aos bancários?

 

publicado por Aristides às 18:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Almeida muito antiga

870_001.jpg

Segundo me informaram, a coroa do brasão terá sido retirada por altura da implantação da República. A ser assim, esta fotografia já tem mais de 100 anos.

 

 

 

publicado por Aristides às 13:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 8 de Abril de 2015

Portugal sempre bem posicionado

quadro-preco-mao-de-obra-31db.jpg

" A ideia de uma União Europeia a duas velocidades está, mais uma vez, bem patente no recente relatório do Eurostat sobre os custos do trabalho, referente ao ano passado. Se na Bulgária, o país mais barato, o custo de mão de obra por hora andou nos 3,8 euros, na Dinamarca, o mais caro, atingiu os 40,3 euros. Uma diferença abismal. Em Portugal, uma hora de trabalho custou, em média, 13,1 euros, em 2014, logo abaixo da Grécia (€14,6) e a alguma distância de Espanha (€21,3). Roménia, Lituânia, Hungria, Polónia e República Checa são os países onde o trabalho é ainda mais barato que em Portugal. "

 

Claro que Coelho, Portas e a Maria Luis têm razão em falar no sucesso das suas políticas de austeridade! Claro que aquilo a que se propuseram está ser cumprido, se não à risca, pelo menos nos seus objectivos gerais!

O grande desígnio das elites financeiras e económicas e dos seus capatazes nos vários governos da Europa e do Mundo, é reduzir, até ao limite da sobrevivência, a remuneração do trabalho, concretizando assim, a maior transferência de meios financeiros do trabalho para o capital de que há memória na História da Humanidade.

Portugal, infelizmente e como acontece sempre que os indicadores são negativos, prima por estar na linha da frente.
 
 

publicado por Aristides às 18:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 6 de Abril de 2015

Almeida antiga: traseiras do Quartel das Esquadras

casama.jpg

 

publicado por Aristides às 19:31
link do post | comentar | favorito

Se os fascistas são ucranianos, então está tudo bem...

"O presidente Petro Poroshenko ratificou  uma lei a proibir todos os filmes e séries russos, produzidos desde 1991, assim como todos os filmes e séries russos feitos desde 1 de janeiro do ano passado: “O documento proíbe todos os filmes produzidos por uma pessoa ou entidade do Estado agressor, o que pode ser considerado parte das sanções económicas”, diz Kateryna Myasnikova, especialista dos media."

A Kateryna e o Poroshenko podem retorcer a realidade como quiserem (aliás, eles e e os meios de comunicação ocidentais não têm feito outra coisa) para a adaptarem aos seus interesses e à sua visão, mas nunca irão fazer de nós burros (pelo menos, de alguns). Isto é censura pura e simples que, a acontecer noutro lado (p.ex. Venezuela, Cuba, etc) suscitaria um coro histérico de protestos dos nossos jornalistas e comentadeiros. Mas como se trata dos fascistas de Kiev, está tudo bem...

 

publicado por Aristides às 19:21
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Abril de 2015

A mentira da Madeira

A propósito do dia das mentiras e do que se passou ontem na Madeira, que seria surreal não se desse o caso de ser na ilha de Jardim. Convenhamos que foi muito, demasiado até, conveniente, terem surgido aqueles votos de Porto Santo quando o PSD tinha acabado de perder a maioria absoluta.Isto levanta várias questões.

Primeira: será que os votos de Porto Santo já foram preteridos noutras situações e, sendo assim, os seus habitantes nem contam para o simulacro de democracia que existe na Madeira?

Segunda ( e mais importante): será que, se esses votos que apareceram à última hora não fossem suficientes para repôr o absolutismo pró e pós-jardinista, não surgiriam milagrosamente uns votos favoráveis, quem sabe se das cagarras das ilhas Desertas? O Cavaco andou lá a pregar há tempos e parece que ficou amigo de umas quantas cagarras...

E já agora, não valeria a pena desscobrir a dimensão total da chapelada que, só numa assembleia de voto, fez aumentar em 100 os votos no PSD?

A sombra do Alberto João vai continuar a pairar por muitos anos naqueles território.

publicado por Aristides às 18:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

O top do dia das mentiras

 Veja aqui o rol dos maiores mentirosos do ano, segundo Nilton. E milhões de portugueses, claro!

publicado por Aristides às 18:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 31 de Março de 2015

Almeida antiga

ruamuralha.jpg

 

publicado por Aristides às 21:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

A chapelada desmascarada

877x658.jpg

 

"A CDU-Madeira conseguiu eleger um terceiro deputado, retirando o 24ª mandato aos sociais-democratas e a consequente perda da maioria absoluta.

«Conseguimos aquilo de que muita gente andava atrás: tirar a maioria absoluta ao PSD. É um dia inesquecível para os madeirenses», disse aos jornalistas o dirigente da CDU-Madeira, Leonel Nunes.

O comunista explicou que não foi a recontagem dos votos nulos a alterar o cenário, mas sim alegadas irregularidades no primeiro ato." 

Confirma-se o que escrevi ontem aqui no blogue. E ainda bem que isto aconteceu para, finalmente se comprovar, se preciso fosse, o que tem acontecido sob o jardinismo: uma impunidade quase absoluta, um caciquismo institucionalizado e uma democracia espezinhada.

E viva a CDU! 

publicado por Aristides às 20:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
16
17
18
19
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Almeida antiga

. PS à esquerda

. Diz que hoje é o Dia da T...

. Almeida antiga

. Um genocídio em curso

. Os novos bárbaros

. Morreu Günter Grass

. A essência do Capitalismo...

. Almeida antiga: rua do Ma...

. Os rendimentos absurdos d...

.arquivos

.links

.favoritos

. A morte saiu à rua

.Contador

.O Tempo

.subscrever feeds