Quinta-feira, 27 de Outubro de 2016

Carlos Peixoto, a peste grisalha e a Justiça

Um septuagenário de Coimbra, reformado, escreveu uma carta aberta em resposta a um artigo de opinião do deputado do PSD pelo círculo da Guarda, Carlos Peixoto, no qual este se referia ao envelhecimento da população portuguesa como a "peste grisalha".

Tendo sido processado por difamação, foi condenado pelo Tribunal de Gouveia ao pagamento de 1.200 euros de multa, além de uma indemnização de 3.000 euros ao deputado social-democrata, mas recorreu para o TRC que confirmou agora a decisão.

Não vou entrar na onda nacional-lamurienta de indignação com a "justiça que temos", de que a "justiça protege sempre os poderosos", que sempre surge cada vez que se anuncia uma sentença mais polémica. Sei que a Justiça, num Estado de Direito corre o risco de ser incompreendida e de ter decisões estranhas, quando isso acontece em nome de um bem maior que é a proteção dos inocentes contra a discricionaridade do poder. Muitas vezes não o consegue ou não o quer, mas não é por isso que o princípio deixa de ser bom.

No caso vertente acontece, parece-me, um desses casos. Não sei em que termos o arguido escreveu a carta aberta: foi, pelos vistos, insultuoso em relação ao político. Mas não terá sido aquela torpe afirmação do deputado (a peste grisalha) muito mais insultuosa e para muito mais gente?

É que, ainda por cima, o pobre do homem teve azar em ser o escolhido para dar o exemplo. Pelo que me apercebi, foram milhares os portugueses, pestíferos ou não, que dirigiram ao ilustre deputado palavras do mais puro vernáculo utilizando os vários meios de comunicação ao seu dispor.

Carlos Peixoto, que há de ficar grisalho como os outros, deveria compensar a falta de sensibilidade social com um bocadinho de bom senso. Infelizmente faltam-lhe as duas coisas.

 

 

publicado por Aristides às 13:42
link do post | favorito
De 95 ok tanas a 25 de Novembro de 2016 às 10:45
Camarada, compatriota, "FDP-filho de Portugal ou como melhor entender "FDN-filho da Nação".Portugal e a maioria dos portugueses não se revêm na maioria dos atuais protelados e ditos democratas da Nação. Não merecem a nossa simpatia a não ser que possamos ser subsidio-pendentes pelo que não parece ser o António Figueiredo. Quem com ferros mata com ferros morre, diz a lenda. Foi o António que reagiu ao se achar desrespeitado. Eu aos 30 anos já tinha cabelo branco, já conhecia a dureza da vida por dentro e por fora, já tinha sofrido na pele aquilo que alguns daqueles que aqui o criticam, nada conhecem da vida. Sou e sempre serei a favor da liberdade de expressão. Sou contra a ofensa. Independentemente da cor, não gosto que um cidadão chame de "palhaço" ao representante máximo da Nação.Há que ter respeito pelas instituições, mas, da outra parte há que colaborar. Entristece-me alguns deste comentário contra o António. Esta gente não presta. Esta gente vive na escuridão. Esta gente não tem diálogo.António, a nossa Justiça é forte com os fracos mas é meiguinha com os fortes. É uma justiça que se agarracom unhas e dentes ao que se escreve e não à interpretação que quem escreve lhe queira dar. Já passei por uma fase idêntica na perspicaz resolução juridica. Não me quiseram ouvir sobre o que escrevi e as motivações que me levaram a escrever. Mas as leis têm várias interpretações e os julgadores são homens e mulheres. Um dia alguém me disse que eu fora o melhor funcionário que tivera pela frente. Cinco anos depois, essa pessoa queria expulsar-me do local de trabalho. Aproveitou as minhas férias para colocar um colega no meu lugar e eu ter de me subordinar a ele. Disse que não.Enviei um mail a todos os camaradas de trabalho informando-os de que mudava de entidade porque não estava interessado a colaborar com quem era mais incompetente do que eu.Que frequentei estabelecimentos do ensino superior e a minha formação ultrapassava os 15 anos e quem me queriam impôr com chefe frequentara o ensino com 6 anos e 9 meses e diploma do 12º ano. Foi-me aplicada a penalisação de um ano de inatividade profissional pelo DG, pelo crime de uso do equipamento informática da empresa e o cidadão recorre ao Tribunal que me acusa do crime por difamação com pena de 150 dias à multa de 10€/dia e 1500€ de indemnização. Por tal companheiro, camarada, cidadão deste País, a luta continua. Sejamos fortes.Um abraço. Um burro tem que ser carregado, mas os asnos da critica negativa ao seu discurso, já estão carregados de inveja. Cresçam e apareçam
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A não esquecer!

. O meu artigo deste mês no...

. O meu artigo de Dezembro ...

. Trumpillaryces

. O meu artigo de Novembro ...

. Imbecilidades racistas

. Ooops...they did it again...

. O triunfo dos Trump's

. Trump e as armas

. A França é a França

.arquivos

.links

.subscrever feeds